• Fonte:

Tecnologias que irão ROMPER a SUPPLY CHAIN


Confira as tecnologias mais prováveis de criar disrupção na cadeia de suprimentos

Esse texto explora oito tecnologias-chave que os gerentes de cadeia de suprimentos precisam entender melhor, uma vez que essas tecnologias vão causar uma disrupção nas cadeias de suprimentos na próxima década. Esse ritmo de mudança acelerado altera dramaticamente a forma como as cadeias de suprimentos funcionam, como elas são gerenciadas e como sempre estão em evolução. Além disso, esse tipo de “rede” de suprimentos, sempre disponível, tem o potencial de oferecer recompensas econômicas e ambientais maciças. Ele pode aumentar a produtividade e a sustentabilidade, impulsionar novos mercados e encorajar a inovação, resultando em mudança exponencial para a indústria e a sociedade como um todo.

A seguir, as 10 tecnologias classificadas em ordem de serem mais prováveis de criar disrupção nas suas operações.

Robótica e automação

A entrega da última milha em breve será o território dos robôs. Um robô de seis rodas e joelho do startup Starship Technologies entregará mantimentos e alimentos preparados em Washington, D.C., e Redwood City, Califórnia. O objetivo é permitir a entrega em um raio de duas milhas dentro de 15 a 30 minutos de uma ordem, por US $ 1 ou menos, com os robôs autônomos viajando nas calçadas e alertando os consumidores sobre sua chegada por meio de um aplicativo de smartphone. O porta-voz da Starship disse que os fundadores estavam buscando "perturbar" uma indústria que tinha visto pouca melhoria de eficiência de novas tecnologias. “Estamos tentando resolver problemas sociais e econômicos reais. Isso levará carros e vans da estrada".

Análise preditiva

Com a proliferação de Big Data Analysis em todas as áreas da cadeia de suprimentos de uma empresa, ser capaz de fazer algum tipo de sentido é extremamente importante, e então poder usar esses dados de forma estratégica e significativa torna-se ainda mais relevante. As análises preditivas aplicam técnicas de modelagem estatística e de mineração de dados em um esforço para formular uma visão de futuro da cadeia de suprimentos. As organizações de alto desempenho são cinco vezes mais propensas a ser mais orientadas para a análise do que a intuição baseada no processo de tomada de decisão, em comparação com organizações de baixo desempenho.

Internet das coisas

No passado, as cadeias de suprimentos complexas geralmente eram vistas mais como impedimentos do que como vantagens. Graças à Internet industrial das coisas (IoT), no entanto, essa complexidade agora pode ser alavancada para produzir dados acionáveis de cada etapa do ciclo. Localizar materiais, equipamentos de manutenção e monitorar a produtividade e a eficiência do sistema como um todo são todos melhorados significativamente graças a novas fontes de dados.

Veículos autônomos e drones

No futuro, não muito distante , os motoristas de caminhão viajarão em comboios. Esse novo padrão de condução, conhecido como platooning, exige que uma série de caminhões se acompanhem muito de perto para que eles possam aproveitar a aerodinâmica e economizar combustível. O caminhão principal marca o ritmo. Através da integração de comunicações de veículo para veículo (V2V) com sistemas de prevenção de colisão baseados em radar, a tecnologia sincroniza frenagem e aceleração entre pares de caminhões. Essa comunicação assegura que os caminhões viajem com segurança nas distâncias aerodinâmicas seguintes. Os pelotões podem ser gerenciados continuamente por um centro de operações de rede estabelecido em nuvem que se conecta a caminhões por meio de comunicações celulares e Wi-Fi. A supervisão com base em nuvem limita a operação de pelotões a estradas especificadas em condições seguras de condução.

Sensores e identificação automática

Em 2013, cerca de 20 milhões de sensores foram estimados em uso nas cadeias de suprimentos. Em 2022, esse número deverá crescer para 1 trilhão, e até 2030, o relatório Deloitte e MHI prevê que 10 trilhões de sensores estarão em operação. Ferramentas de otimização de inventário e rede.

Esses tipos de ferramentas são usados para ajudar as empresas a criar redes para produzir, armazenar e distribuir produtos de forma mais eficiente e efetiva, sendo o serviço ao cliente o principal driver. Como o Relatório Anual da Indústria MHI de 2017 ressalta, as empresas estão cada vez mais exigindo velocidade, visibilidade e transparência dos seus parceiros da cadeia de suprimentos para atender às expectativas dos clientes. Uma vez que se pensava como uma preocupação principalmente centrada no varejo, a estratégia on-demand está afetando as empresas, independentemente do tamanho, da indústria ou da posição na cadeia de suprimentos. As soluções que podem otimizar uma rede de inventário ou cadeia de suprimentos estão muito em alta agora, com muitas empresas e profissionais considerando tais ferramentas uma tecnologia disruptiva.

Tecnologia wearable

Um estudo recente da IDC prevê cerca de 160 milhões de wearables expedidos em 2019, com mais de 120 milhões usados no seu pulso. Os óculos conectados, sistemas modulares e outros dispositivos integrarão as operações na cadeia de suprimentos.

Impressora 3D (manufatura aditiva)

O mercado mundial de impressoras 3D e seus materiais e serviços associados crescerão para US $ 20,2 bilhões até 2019. As cadeias de suprimentos estão prestes a fazer uma mudança significativa. Onde tradicionalmente as cadeias de suprimentos seguiram modelos tradicionais, a impressão 3D é inovadora desses modelos e coloca os consumidores em um outro nível de expectativa. Computação em nuvem Enquanto a nuvem é muito popular, pode estar se movendo para um “nevoeiro”. Computadores da Universidade da Camerino (Itália) com base um novo conceito que difunde dados em vários servidores, sem localização única. Ele usa buffers virtuais para reinstalar pacotes de dados sem que um arquivo esteja sendo completo em um só lugar. Esse modelo está sendo chamado de computação em “nevoeiro”. Nossa proposta baseia-se nesta ideia de um serviço que torna a informação completamente imaterial no sentido de que, por um período de tempo determinado, não há lugar na terra que contenha informações completas na sua totalidade. Queremos ter um nevoeiro de arquivos em vez de uma nuvem.

Blockchain

O blockchain, visto como uma tecnologia disruptiva ou uma fonte de vantagem competitiva, se distingue do resto das tecnologias no Relatório Anual da Indústria MHI de 2017, já que apenas 31% das empresas entrevistadas veem que é de relevância imediata para sua estratégia de alcance de metas. No entanto, blockchain e outras tecnologias similares "poderiam mudar significativamente a maneira como os fabricantes de varejo e produtos de consumo operam suas cadeias de suprimentos para vender bens e serviços", prevê Peter Loop, principal arquiteto de tecnologia da Infosys. "O comportamento dos consumidores e o seu apetite por informações, a necessidade universal de transações seguras e a demanda por transparência já estão orientando o relacionamento do comprador com as marcas. O blockchain pode ajudar a responder a essas demandas garantindo a origem dos bens, assim como a segurança da transação.

Fonte: https://www.imam.com.br/logistica/edicoes/327.pdf


20 visualizações

GENERAL DOCK CONSULTORIA E LOGÍSTICA LTDA.

JUCESP - SEFAZ - ARMAZÉNS GERAIS - AUDITORIA - SISTEMAS WMS (SaaS)- AUDITORIAS

Rua Visconde de Inhomerim, 570 - WorkSpace - Moóca - São Paulo-SP CEP 03120-001

 (11) 3588-2752 (11) 98731-0060 - comercial@generaldock.com.br