Regras para amarração de cargas


Regras para amarração de cargaS Conheça mais detalhes sobre as novas regras para amarração

de carga que entram em vigor este ano

Embora amarração de carga seja uma “ciência” relativamente simples, muitas vezes não é tratada com a devida importância. E isso pode impor riscos ao transporte. Por isso, vamos adiantar algumas dicas que veremos com detalhes no Curso do dia 17 de janeiro. Amarrar corretamente a carga, exige responder algumas perguntas básicas A primeira é: que forças estão envolvidas no transporte rodoviário de cargas? A resposta está na figura 1. Se estiver transportando uma carga de 10.000 kg, ocorrerá 8.000 kg para frente, 5.000 kg para os lados e assim por diante. Depois é preciso saber se o peso da carga ajuda na sua contenção sobre o veículo. Isso vai depender do atrito entre a carga e a carroceria. Se o contato for metal- -metal, ajuda com 10% do peso (coeficiente de atrito=0,1). Ou seja, aqueles 10.000 kg colaboram com apenas 1.000 kg. O restante, para resistir às forças, terá que ser suportado pelo sistema de amarração. Se o contato for metal-metal contaminado com óleo, o coeficiente

pode ser 0,01. E nesse caso, os 10.000 kg da peça estão ajudando com apenas 100 kg. Por outro lado, se o contato for borracha-metal, o coeficiente pode chegar a 0,6. E aqueles 10.000 kg passam a ajudar com 6.000 kg na retenção da carga. Por isso, elimine o contato metal- -metal. Adicione sempre uma manta de borracha entre a carga e a carroceria. Cuidado especialmente com assoalho metálico, mas também com as longarinas e perfis laterais: o assoalho pode ser de madeira, mas a carga pode apoiar-se nos perfis metálicos da estrutura da carreta, e o risco da peça cair aumenta muito. Um detalhe importante: toda carga precisa ser amarrada, porque ela pode perder o contato com o piso em função da vibração na rodovia. Por isso, é mito sem fundamento dizer que carga pesada não precisa amarrar.

Tombamentos Vamos agora para mais uma questão importante: a carga pode tombar sobre a carroceria? A resposta é: depende das relações entre comprimento-altura e largura-altura Rubem Penteado de Melo é Engenheiro Mecânico, co-autor da Regulamentação para Amarração de Cargas da carga. As regras “simplificadas” estão ilustradas na figura 2. Para tombamento à frente: se o comprimento “C” for menor que 80% da altura “H”, a carga é instável ao tombamento para frente. Medidas de retenção devem ser implementadas para evitar que tombe para frente. Para tombamento lateral: se a largura “L” for menor que 50% da altura “H”, a carga é instável ao tombamento para os lados. Medidas de reten- ção devem ser implementadas para evitar que tombe para os lados. É dito “simplificada” porque considera-se o centro de gravidade da carga no meio dela. Outro aspecto importante é para o transporte de máquinas e equipamentos. A amarração indicada é do tipo «direta», com correntes e esticadores. Lembrar de fazer o «X» para impedir os movimentos longitudinais e laterais (figura 3). Máquinas com pneus também devem ser calçadas. Nesse tipo de amarração, você não está «puxando» a carga contra o assoalho para aumentar a força de atrito, mas é o próprio dispositivo (corrente) que está suportando diretamente as forças do transporte.

Rubem Penteado de Melo é Engenheiro Mecânico, co-autor da Regulamentação para Amarração de Cargas

#Notícias

70 visualizações

GENERAL DOCK CONSULTORIA E LOGÍSTICA LTDA.

JUCESP - SEFAZ - ARMAZÉNS GERAIS - AUDITORIA - SISTEMAS WMS (SaaS)- AUDITORIAS

Rua Visconde de Inhomerim, 570 - WorkSpace - Moóca - São Paulo-SP CEP 03120-001

 (11) 3588-2752 (11) 98731-0060 - comercial@generaldock.com.br