O nível de estoque adequado


Entender o tipo de estoque é essencial para tomar a decisão certa para não ter rupturas ou excessos

Nada é mais frustrante para gestores de armazéns do que ver paletes não utilizados, cobertos de poeira definhando em uma zona de picking.

O giro de inventário pode acentuar o fluxo financeiro. Quando os produtos ficam em estoque por muito tempo, o capital usado para comprar esses itens não gera receita. Se a empresa tem que movimentar esse estoque em excesso no armazém, os custos com certeza irão aumentar.

Numa cadeia de abastecimento existem três tipos de estoques para gerenciar: atacado, varejo e e-commerce. Cada um tem uma demanda diferente e uma característica de movimentação de materiais únicos. Inventários de atacado são geralmente movimentados em paletes, varejo em caixas e e-commerce em encomendas individuais. Isso significa que a maneira de estocar é diferente. Um precisa de estruturas de estocagem, outro de flow racks ou transportadores contínuos e sorters. O desafio, então, é descobrir como fazer os três tipos em um só armazém, ao mesmo tempo que os enxuga o máximo para um estoque de segurança.

Adicione também o fato de que os itens estocados tem velocidade de giro variada. E mesmo a velocidade de giro sendo um fator determinante para os níveis de estoque, não é o único. De acordo com as designações de “A” a “F”, itens “A” saem mais rápido. Itens “F”, no entanto, não devem ficar no estoque das empresas, a não ser que tenham um propósito específico.

Encontre o problema

É possível identificar os problemas com o estoque. Para isso, analise a velocidade de giro do produto, encontrando partes do estoque que não foram movidos nos últimos seis meses, ou até um ano. Esse é justamente o principal problema do inventário. E então, busque ferramentas que gerenciem o ciclo de vida dos produtos, ou seja, racionalizem os SKU’s.

Previsões

Para prever o futuro, é preciso analisar o passado. Se o cliente compra três itens todos os dias, sem variação, a empresa sabe que precisará de um cross-docking eficiente. Mas, se o cliente compra três em um dia, dez no outro e cinco no seguinte, será preciso manter unidades em estoque. E diferentes produtos exigem diferentes previsões.

Para os mais tradicionais, que têm mais saída, é possível fazer a previsão baseada em performances recentes. Já um item sazonal ou que nunca foi vendido antes tem a previsão baseada em produtos similares. Existem diversas ferramentas que auxiliam na previsão, incluindo soluções exclusivas para isso, ou ainda outras que que agregam outros fatores que que auxiliam na otimização do inventário, como custos de aquisição e transporte, por exemplo.

O importante é ter a capacidade de previsão integrada com o recebimento, gerenciamento do estoque e expedição. A previsão nunca será perfeita, mas ela permite tomar decisões mais acertadas quando a mudanças nas vendas de determinados itens. E se um produto que sempre vende bem de repente começa a sofrer um declínio? É preciso ter essa informação imediatamente para reagir com agilidade.

Muitos fatores podem afetar a saída de produtos: questões geográficas, mudanças de tempo, etc. Somente um sistema vai permitir uma análise rápida das mudanças de estoque, oferecendo uma perspectiva do futuro.

Variedade

Ferramentas de visibilidade na Supply Chain integradas a um WMS, assim como sistemas de previsão, podem adicionar inteligência e capacidade de gerenciamento entre toda a cadeia. Quando os mais diversos tipos de inventário na cadeia se conectam de acordo com a acurácia da previsão, somado a eficiência do estoque de segurança, o estoque pode durar por todo o ano.


17 visualizações

GENERAL DOCK CONSULTORIA E LOGÍSTICA LTDA.

JUCESP - SEFAZ - ARMAZÉNS GERAIS - AUDITORIA - SISTEMAS WMS (SaaS)- AUDITORIAS

Rua Visconde de Inhomerim, 570 - WorkSpace - Moóca - São Paulo-SP CEP 03120-001

 (11) 3588-2752 (11) 98731-0060 - comercial@generaldock.com.br